A extrema-direita e os trabalhadores, com Rosana Pinheiro Machado | #100

O que explica que estratos sociais que prosperaram durante governos de esquerda apoiem políticos de extrema-direita, com Jair Bolsonaro, Rodrigo Duterte ou Narendra Modi?


No Brasil, em especial, grande contingente de pessoas emergiu das assim chamadas classes D e E para a C, elevando seu padrão de consumo e de qualidade de vida, mas renegou o PT, apoiando Bolsonaro em 2018.


Muitos desses brasileiros, trabalhadores (muitos deles informais) emergentes durante os anos petistas, seguiram fiéis a Bolsonaro durante seu governo, apesar dos diversos problemas enfrentados. Fenômeno similar é notado noutros países do Sul Global, como Filipinas e Índia.


Aí, o populismo de ultradireita ganha força não só pelas razões negativas normalmente identificadas no Norte Global (ressentimento, nostalgia, raiva), mas também por uma identificação positiva com a agenda desses lideres.


Para tentar compreender esse fenômeno este #ForadaPolíticaNãoháSalvação #100 convidou Rosana Pinheiro Machado, antropóloga e professora de Desenvolvimento Internacional na Universidade de Bath, no Reino Unido.


Pinheiro Machado tem pesquisado temas associados às subjetividades populares, a pobreza e o mundo do trabalho informal, bem com seus desdobramentos no âmbito da política.




As músicas deste episódio são "Farmhands" do TrackTribe e "Chances" do Silent Partner.




Leia o blog do #ForadaPolíticaNãoháSalvação no site da CartaCapital.




#Ultradireita #ExtremaDireita #Trabalho #Trabalhadores #TrabalhoInformal #Subjetividades #SulGlobal #Populismo






























Comentários

As mais lidas

Um governo militar - publicado originalmente no Valor Econômico

A Polarização Assimétrica, publicado originalmente no Valor Econômico

Sobre apostas, filhos e ministros; publicado originalmente no Valor Econômico