Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2021

A CPI dará em quê? Com Luciana Gross Cunha & Salem Nasser | #105

Imagem
A CPI da Covid no Senado finalmente terminou e produziu um relatório alentado, com 80 indiciados, dentre os quais o presidente da República, Jair Bolsonaro. Crimes contra a humanidade, crime de pandemia, corrupção, falsidade ideológica, incitação ao crime - a lista de delitos é grande. Que consequências terão os diversos crimes apontados? Como se comenta na linguagem popular, também adotada por boa parte da imprensa,  a CPI terminará em pizza ? O indiciamento de Jair Bolsonaro e de ocupantes do alto escalão do governo chegará até o Tribunal Penal Internacional (TPI) em Haia? Para discutir esses temas, este #ForadaPolíticaNãoháSalvação conta com Luciana Gross Cunha, cientista politica e Salem Nasser, jurista, ambos professores da FGV Direito São Paulo. @claudio_couto @_grosscunha @salemhnasser As músicas deste episódio são "Dark Fog" de Kevin MacLeod e "Smooth and Cool" de Nico Staf. O #ForadaPolíticaNãoháSalvação foi agraciado com uma menção honrosa no Prêmio Anpocs

#ForadaPolíticaNãoháSalvação é premiado pela ANPOCS

Imagem
O #ForadaPolíticaNãoháSalvação foi agraciado com uma menção honrosa no Prêmio ANPOCS de Divulgação Científica em Ciências Sociais.  O reconhecimento do trabalho feito neste um ano e meio de existência do Canal e do Podcast é uma motivação a mais para seguir na labuta, promovendo discussões de excelência do amplo campo das ciências sociais, contemplando a pluridisciplinaridade necessária para dar conta das diversas dimensões que o fenômeno da política contempla. E, claro, para seguir com o compromisso de difusão científica acerca da política indissociável da defesa da Democracia, do Estado de Direito e dos Direitos Humanos. O vídeo da premiação está disponível no canal do YouTube da ANPOCS e é reproduzido aqui, a partir do momento em que são anunciados os prêmios da categoria em que concorreu o #FPNS – a de material de divulgação científica produzido por docentes da área de ciências sociais. Claro que, além do anúncio do prêmio pelos organizadores do concurso, há também algumas palavrin

Fascismo e nazismo no Brasil atual, com Michel Gherman | #104

Imagem
  Nas últimas semanas vêm crescendo as manifestações de caráter nazista no Brasil. Em Porto Alegre, um estudante de doutorado em filosofia da UFRGS atacou de forma racista um colega negro e outro judeu; manifestantes antivacina levaram à Câmara Municipal um cartaz com a suástica estampada, além de insultarem vereadoras negras. Antes disso, a reforma do piso do Parque da Redenção, em Porto Alegre, revelou desenhos que parecem ser suásticas, inclusive nas cores do nazismo - preto e vermelho. Em Pelotas, uma estudante de história da UFPEL celebrou seu aniversário com um bolo em que era estampada uma imagem de Adolf Hitler. A revista IstoÉ ilustrou sua capa retratando Jair Bolsonaro como Adolf Hitler, o que gerou a ira de bolsonaristas. A Advocacia Geral da União exigiu retratação da revista, sugerindo até uma nova capa; o ministro da Justiça decidiu instaurar um inquérito contra a revista. Finalmente, uma farta coleção de itens nazistas foi encontrada na residência de um homem acusado de

O Ministério Público sob escrutínio, com Fábio Kerche | #103

Imagem
A reforma do sistema de justiça promulgada ao final de 2004 criou dois importantes conselhos de controle administrativo e disciplinar do Judiciário e do Ministério Público, o CNJ e o CNMP, respectivamente. Quase 17 anos depois e com a experiência da Lava Jato, que gerou excessos de membros do Ministério Público, o Congresso volta a discutir uma emenda constitucional instituindo controles. Uma proposta de reforma do Conselho Nacional do Ministério Público, bem como do Conselho Superior do MP, coloca em polos antagônicos congressistas e as entidades representativas da corporação. Qual o significado dessas reformas? Por que elas se tornaram prioritárias para os agentes políticos? De que forma tais mudanças impactam a atuação de promotores e procuradores? Para discutir esses pontos, este #ForadaPolíticaNãoháSalvação conta com Fábio Kerche, cientista político da Unirio e pesquisador das instituições do sistema de justiça, especialmente do Ministério Público. As músicas deste episódio são &q

A tanatocracia de Bolsonaro cumpre suas promessas

Imagem
Meu artigo no blog do #ForadaPolíticaNãoháSalvação na Carta Capital , sobre o bolsonarismo como um movimento que busca a morte como projeto de poder e é, portanto, tanatocrático. Clique aqui para ler.

Eleições: de olho em 2022, com Lara Mesquita e Débora Thomé | #102

Imagem
  Mal terminou 2021 e todas as atenções se voltam para 2022 - ou melhor, para as eleições que ocorrerão nesse ano. Um presidente mal avaliado, mas que resistentemente mantém um apoio por volta de um quarto do eleitorado; novas regras eleitorais aprovadas às vésperas do prazo limite; incentivos a candidaturas femininas e de pessoas negras; articulações em torno de uma candidatura de "terceira via" entre Lula e Bolsonaro. Que perspectivas esse cenário nos dá? Para discutir esse tema as convidadas deste episódio são as cientistas políticas Lara Mesquita, pesquisadora do CEPESP FGV e Débora Thomé, pesquisadora do LabGen da UFF. As músicas deste episódio são "Malandragem" de Quincas Moreira e "Ella Vater" dos The Mini Vandals. Leia o blog do #ForadaPolíticaNãoháSalvação na CartaCapital. #Eleições #Eleições2022 #ConjunturaPolítica #PolíticaBrasileira #PartidosPolíticos #Gênero

A Alemanha pós-Merkel, com Bruno Speck | #101

Imagem
Após 16 anos como chanceler, Angela Merkel decide deixar o cargo de primeira-ministra e não disputar as eleições. Com isto, abre-se a sua sucessão. Nas concorridas eleições de setembro de 2021, o Partido Social Democrata (SPD) conseguiu a primeira colocação, mas por uma diferença muito pequena em relação aos Democratas Cristãos (CDU/CSU). Ambos obtiveram cerca de um quarto das cadeiras no parlamento, insuficiente para a formação de um novo governo. Assim, tornou-se indispensável a construção de uma coalizão, como de costume. Contudo, desta vez, por conta da fragmentação partidária, não seriam possíveis coalizões de apenas dois partidos, sendo necessário compor a aliança com três sócios. Social Democratas ou Democratas Cristãos, dessa forma, terão de se aliar a Verdes e Liberais – ou quem sabe, reeditar as Grandes Coalizões entre SPD e CDU/CSU. Não bastasse tal complexidade, os partidos localizados nos polos mais extremos do espectro ideológico alemão (AfD na extrema-direita, Die Linke