Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Extremismo

A tanatocracia de Bolsonaro cumpre suas promessas

Imagem
Meu artigo no blog do #ForadaPolíticaNãoháSalvação na Carta Capital , sobre o bolsonarismo como um movimento que busca a morte como projeto de poder e é, portanto, tanatocrático. Clique aqui para ler.

A Alemanha pós-Merkel, com Bruno Speck | #101

Imagem
Após 16 anos como chanceler, Angela Merkel decide deixar o cargo de primeira-ministra e não disputar as eleições. Com isto, abre-se a sua sucessão. Nas concorridas eleições de setembro de 2021, o Partido Social Democrata (SPD) conseguiu a primeira colocação, mas por uma diferença muito pequena em relação aos Democratas Cristãos (CDU/CSU). Ambos obtiveram cerca de um quarto das cadeiras no parlamento, insuficiente para a formação de um novo governo. Assim, tornou-se indispensável a construção de uma coalizão, como de costume. Contudo, desta vez, por conta da fragmentação partidária, não seriam possíveis coalizões de apenas dois partidos, sendo necessário compor a aliança com três sócios. Social Democratas ou Democratas Cristãos, dessa forma, terão de se aliar a Verdes e Liberais – ou quem sabe, reeditar as Grandes Coalizões entre SPD e CDU/CSU. Não bastasse tal complexidade, os partidos localizados nos polos mais extremos do espectro ideológico alemão (AfD na extrema-direita, Die Linke

A extrema-direita e os trabalhadores, com Rosana Pinheiro Machado | #100

Imagem
O que explica que estratos sociais que prosperaram durante governos de esquerda apoiem políticos de extrema-direita, com Jair Bolsonaro, Rodrigo Duterte ou Narendra Modi? No Brasil, em especial, grande contingente de pessoas emergiu das assim chamadas classes D e E para a C, elevando seu padrão de consumo e de qualidade de vida, mas renegou o PT, apoiando Bolsonaro em 2018. Muitos desses brasileiros, trabalhadores (muitos deles informais) emergentes durante os anos petistas, seguiram fiéis a Bolsonaro durante seu governo, apesar dos diversos problemas enfrentados. Fenômeno similar é notado noutros países do Sul Global, como Filipinas e Índia. Aí, o populismo de ultradireita ganha força não só pelas razões negativas normalmente identificadas no Norte Global (ressentimento, nostalgia, raiva), mas também por uma identificação positiva com a agenda desses lideres. Para tentar compreender esse fenômeno este #ForadaPolíticaNãoháSalvação #100 convidou Rosana Pinheiro Machado, antropóloga e pr

Bolsonaro no país das fantasias | Coluna na CartaCapital

Imagem
  Bolsonaro no país das fantasias 'Ele jamais desaponta quem espera dele apenas o que ele é e sempre foi em sua trajetória na política: um boçal alucinado e truculento' Leia no blog do #ForadaPolíticaNãoháSalvação na CartaCapital Para ler, clique aqui.

Bolsonarismo: populismo ou fascismo? Com Fabio Gentile | #99

Imagem
  Que Jair Bolsonaro é autoritário não há dúvidas, não só pelos seus elogios à ditadura militar e a torturadores, mas pelos seus atos na Presidência da República. Ataca outros poderes, afronta governadores e prefeitos, mobiliza suas hordas para que clamem por ruptura institucional e destituição de seus adversários – ou, para ele, inimigos. Diz que as Forças Armadas são "suas", assim como dá à Constituição a interpretação que lhe convém, questionando o papel do STF como corte constitucional, à qual cabe a interpretação última das normas. Absolutista e avesso a limites, Bolsonaro só considera como povo aqueles que o apoiam e seguem, aqueles que ele mobiliza em atos golpistas e antidemocráticos. No discurso bolsonarista, quem lhe é crítico ou insubmisso é contrário ao "povo" e ao país. Seria ele apenas mais um populista autoritário, ou – tendo em vista seu culto à violência, seu irracionalismo e seu culto à morte – seria ele um fascista? Para discutir esta questão este

A Constituição Quadrangular de Bolsonaro e a quarta via

Imagem
Meu artigo no blog do #ForadaPolíticaNãoháSalvação no site da CartaCapital , sobre o 7 de setembro fascista. Clique aqui para ler

A democracia ameaçada, com Maria Hermínia Tavares de Almeida - #97

Imagem
Em guerra contra os outros Poderes – em especial o Judiciário –, governos subnacionais e imprensa, Jair Bolsonaro convoca inflamadamente seus apoiadores para um 7 de Setembro Fascista. O propósito dos atos, para os quais uma imensa e intensa mobilização se produziu nas hostes bolsonaristas, é atacar os limites democráticos ao exercício do poder autocrático pelo presidente da República. Bolsonaro não aceita quaisquer limites ou contrariedades que possam, legitimamente, ser-lhe impostos pelo Judiciário, pelo Legislativo, pelos governos subnacionais ou pela imprensa independente. Não à toa, anunciou a seus apoiadores que o 7 de Setembro Fascista será um "ultimato" aos ministros do STF que ousam lhe contrariar – Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes. Não bastasse, Bolsonaro também tem insistido na participação de membros das forças de segurança, em especial as polícias, nas manifestações antidemocráticas marcadas para o dia da Independência. Que riscos efetivamente isso repr

Um golpe bolsonarista, com policiais e milicianos, não produziria algo funcional

Imagem
Artigo no blog do #ForadaPolíticaNãoháSalvação no site da CartaCapital Clique aqui para ler  

A volta do Talibã, com Francirosy Barbosa & Reginaldo Nasser - #95

Imagem
A saída das tropas norte-americanas do Afeganistão, após 20 anos de presença militar, foi seguida da rápida tomada do poder pelo grupo extremista islâmico Talibã. O que explica essa tomada tão rápida do poder? Qual o contexto dela? E a situação das mulheres afegãs, como fica? Que tipo de islã é professado pelo Talibã e de que forma ele produz o extremismo desse grupo, que agora controla o país? Para discutir esses temas, este #ForadaPolíticaNãoháSalvação conta com dois convidados. Uma é Francirosy Campos Barbosa, professora de antropologia no Departamento de Psicologia Social da USP de Ribeirão Preto e estudiosa do Islã. O outro é Reginaldo Mattar Nasser, professor de Relações Internacionais da PUC SP, estudioso da política externa americana e do Oriente Médio. As músicas deste episódio são Dhaka, de Kevin MacLeod e Arabian Nightfall, de Doug Maxwell. Leia o blog do #FPNS na CartaCapital. #Afeganistão #Islã #OrienteMédio #Islamismo #Talibã